4 de junho de 2016

Waldorf


A Maria, cujo trabalho vimos aqui e o guarda-roupa aqui, está a fazer formação em Pedagogia Waldorf. Sendo este um nome que se tem ouvido muito nos últimos tempos e a nossa era uma época de mudanças marcantes, aproveitei o Dia Mundial da Criança para pedir um registo da sua experiência com o método educativo. 


No dia em que decidi adormecer o curso que tinha acabado de tirar - Som e Imagem - fugi. Mudei-me para Sevilha. Aproveitei o calor abrasador da cidade e entreguei todo o meu futuro nas mãos dos 6 meses seguintes. Lia imenso. Tinha uma certeza. Aliás duas ou três. Crianças, arte e um complemento tão ou mais importante... Tempo. 

Por obra desta sabedoria mágia do Uni(verso) aparece  pela segunda vez na minha vida a palavra Waldorf. Uma escola bem perto de onde estava a viver, praticava essa brilhante pedagogia. Respostas e mais respostas. Claro que sendo eu super adepta de explicações divinas para as 'coincidências' da vida, entendi o porquê de ter 'aterrado' em Sevilha. Waldorf... Um método absolutamente dedicado ao desenvolvimento das crianças em ambientes livres, incentivando cada criança a criar uma base muito sólida da sua capacidade de sentir, de pensar, agir. Rudolf Steiner é o grande criador desde método, que consolida os seus pensamentos sobre uma educação com elementos antropológicos e antroposóficos, tendo como fundamento a evolução física, emocional e espiritual do ser humano.


Das coisas que mais mereciam o meu aplauso, sempre que lia mais e mais sobre o método, era mesmo esta capacidade de tratar cada criança como um ser individual e espiritual. As suas diferenças, o tentar descobrir as capacidades e potencialidades de cada um, respeitando cada etapa de desenvolvimento... Dando especial atenção ao corpo e à mente de igual forma. Funcionam juntos.
Sobre a parte mais prática da coisa - para além de todo o conteúdo geral leccionado, têm também várias correntes artísticas e vários trabalhos manuais. O objectivo dessas disciplinas artísticas é despertar sentidos, a imaginação, a fantasia. Os brinquedos  são feitos em madeira e as bonecas feitas de pano.  As salas são pequenas e os espaços de refeição aptos a qualquer actividade de culinária. Espaços exteriores amplos onde possam desenvolver a sua capacidade motora e muitas vezes criar e cuidar de pequenas hortas, onde facilmente começam a acompanhar e entender a vida do reino Vegetal. 

Foi todo este pacote meio rústico, selvagem - no bom sentido - de educar na natureza mais pura, materiais puros, longe de toda a estrutura materialista dos nossos tempos, que me fez apaixonar pelo método. Ser. Aprender a Ser. Consciência na Existência. Bem, o que é certo é que embarquei neste tesourinho sobre a existência humana e na importância de formar e educar seres Humanos. Com liberdade e consciência. Neste momento estou a frequentar a turma do primeiro ano do curso - Pedagogia Waldorf- em Lisboa. O curso são três anos em que nos são dados conteúdos teóricos e práticos, como Pintura, Drama, Euritmia e Desenho de Forma. 


Para celebrar este dia tão especial que brinda a todas as sementinhas deste mundo deixo uma mini lista de livros para quem ficou curioso em relação a esta forma de educar, de observar e sobretudo acompanhar as nossas crianças para um desenvolvimento saudável:

Editora Antroposófica, 2000.
.Filhos felizes na escola: Pedagogia Waldorf, o ensino pela arte, de Helena Trevisan.
Editora Antroposófica, 2014.
.A prática pedagógica: Segundo o conhecimento científico-espiritual do homem, de Rudolf Steiner.
Editora Antroposófica, 2013.
.Crianças brincando! Quem educa?, de Danielle Comin Martins.
Editora João de barro, 2007.
.Filosofia da Liberdade, de Rudolf Steiner.

Brinquem muito. Com tempo. Aquele tempo que nos permite olhar verdadeiramente para as nossas crianças.

Sem comentários:

Enviar um comentário